14 de jun de 2008

pág. 13

15. INT. CASA VITORIANA - TARDE

Plano apertado dum copo com whisky em contra-luz.

Mão agarra copo e câmara segue-o até à boca de um homem de barba.

Homem dá um gole.

THOMAS

Hum… Ironia… Faz agora 18 anos que vim para África, esta terra de ninguém… Os mesmo 18 anos que este bom whisky demorou a envelhecer para ficar tão sobrebo assim! [Esboça sorriso]

A mesma velhice que tanto combati quando... bem, deixa para lá Nkosi, é uma história chata.

NKOSI

O senhor Thomas é que sabe…

Outro homem entra na sala, de charuto numa mão e copo de whisky na outra, e senta-se no cadeirão em frente ao cadeirão onde está Thomas.

SIR NICHOLAS

Então Thomas, mais um final de tarde típico na savana a contar histórias para Nkosi?

THOMAS

Sir Nicholas, só conto histórias interessantes.

SIR NICHOLAS

Acredito que sim. Aliás, acabei de instalar as minhas coisas no meu quarto, e não tenho mais nada que fazer, a não ser desfrutar deste charuto e deste whisky na sua companhia. Um poder só igualado aos dos deuses!

THOMAS

O Sir Nicholas sabia que na mitologia nórdicas, os anões provêem de uns vermes que roiam o cadáver de um gigante? Foi através dos ossos e sangue do gigante, que os deuses os criaram. Tornaram-se grandes e hábeis artífices, forjando ferro como ninguém, criando quase todas as armas para os seus criadores combaterem. Mas os anões não eram perfeitos. Tornaram-se gananciosos, ladrões e trapaceiros quando diante de riqueza.

SIR NICHOLAS

Thomas, eu que sou alemão e não sabia tal história.

THOMAS

Nanismo, a doença que afecta os anões, é a base do nome da minha empresa NANO.
Eu comparo agora, os anões da mitologia com os "nanoides" que eu criei há alguns anos. Julgava eu que estava a fazer algo para o bem da humanidade. O quanto eu estava errado Sir Nicholas!

SIR NICHOLAS

Mas olhe que nem toda a gente é assim tão pessimista com a sua invenção. Olhe o senhor Ashton, que há dias que não aparece, nem ele nem os seus empregados. Deve estar a adorar!

THOMAS

Por falar no diabo…

Thomas levanta-se do cadeirão e pousa o copo vazio na mesinha ao lado, dirigindo-se ao alpendre da casa.

15. EXT. FRENTE CASA VITORIANA - TARDE

Plano do alpendre da casa com Thomas com os braços apoiados na cerca.

O jipe pára em frente, com os dois homens armados a saltarem da parte de trás com ar chateado.

Ao lado do condutor está Ashton, o homem quem eles caçaram.

ASHTON

Senhor Thomas, eu acho os seus homens são muito bons caçadores, mas eles não devem estar a gostar da minha cara.

THOMAS

É normal senhor Ashton! A sua participação demorou três dias seguidos e eles acabaram por ficar longe das famílias e com menos dinheiro de recompensa. Você é um osso duro de roer!

Ashton e Thomas dão aperto de mão.

12 de jun de 2008

pág. 12

14. EXT. SAVANA AFRICANA - TARDE

A câmara acompanha uma nuvem de poeira ocre. O sol esta do outro lado da nuvem, ao nível do horizonte, conseguindo aparecer nos poucos intervalos onde a nuvem está menos densa.

O plano vai acompanhando paralelamente a nuvem até às traseiras de um jipe militar com dois homens armados com kalashnikov apontadas para vários lados.

O condutor grita algo em zulu apontando para a frente, fazendo os outros dois dispararem na mesma direcção.

Câmara continua paralelamente a acompanhar o jipe, mas avançando mais rapidamente. Uns metros à frente encontra um homem a correr e a rir, ao mesmo tempo que tenta desviar-se das balas que lhe passam ao lado da cabeça.

Plano da sombra comprida do homem que corre. Ouve-se um tiro e a sombra enrola-se até se juntar no chão ao corpo que a criava.

Os caçadores festejam enquanto o jipe passa com as rodas sobre o corpo do fugitivo.

De cara no chão poeirento, durante uns segundos fica imóvel. Até que os pulmões sopram e levantam a poeira em frente da cara, recomeçando então a rir.

FUGITIVO

[Rindo] Estes tipos são bons!

12 de mai de 2008

pág. 11

13. INT. CASA DE MOE - DIA

A sala está escura, pouca luz se vislumbra entre os cortinados fechados. Moe entra, afastando coisas do chão, para deixar Rita e Thomas passarem.

MOE

Desculpem o aspecto da coisa, mas faz tempo que dispensei a empregada das limpezas. Houve um dia que ela passou um pano com detergente na minhas placas de vidro com cultivo de bactérias. Foram meses de pesquisa deitados fora.

Moe despe o roupão e coloca-o no sofá cheio de roupa usada.

RITA

Moe vais ter que parar com isto, tu não podes continuar a viver assim no meio desta porcaria. E o que foi feito da tal amiga que foi jantar contigo há uns meses?

MOE

Quem? A Joana? Não sei ao certo. Acho que passei o jantar a falar de coisinhas muito pequenas, e devo tê-la assustado um pouco. Coitada. Mas acabei por ter mais tempo para provar as minhas suspeitas.

RITA

Que são?

THOMAS

O Moe explicou-me um pouco por alto ao telefone. Acho que é melhor sentares-te.

Thomas olha para os lados

Bem, em algum sitio.

RITA

Parem lá com tanto suspense, já enerva. Vá. O que se passa com os "nanoides"

MOE

Eles estão à solta. Livres e incontroláveis.

RITA

Mas como é isso possível? Eu lembro-me perfeitamente dos resultados do nosso trabalho, e sei que nunca cometemos erros na avaliação...

THOMAS
Eles conseguiram autorestabelecer-se, por assim dizer. Eles para além de resolverem 99,5% dos males do hospedeiro, conseguiram resolver os seus próprios males e defeitos. Um tipo de Upgrade pelo que percebi.

MOE

Também não foi assim tão simples, Tom. Nós quando os criámos não estávamos errados, nem fizemos merda... Desculpa Rita.

Moe tira os óculos, e limpa as lentes na t-shirt com uma estampagem da branca de neve da Disney.

O velho quando levou o projecto para o laboratório dele, aliás, quando "roubou" o projecto, deve ter tido uma equipe que ao seguir a criação dos "nanóides" alterou o nosso original! Deu mais poderes ao que eles tinham. Assim eles ganharam mais capacidades do que necessário. Uma delas é poder sobreviver fora do corpo do hospedeiro humano, podendo viajar pelo ar para outro hospedeiro.
Neste momento é uma nuvem invisível, sem se saber por onde andam...

THOMAS

Mas pode nem ser assim tão mau quanto parece, as pessoas vão ter acesso à cura do cancro e da SIDA gratuitamente.

Moe levanta-se e coloca as mãos nos ombros de Thomas.

MOE

Thomas, não é só nas doenças. Os "nanoides" estão livres de arrumar tudo que esteja danificado no hospedeiro, até a própria morte.

6 de mai de 2008

pág. 10

12. EXT. SEDE LORENZ INC. - DIA

Moe está de roupão, calçado com ténis diferentes em cada pé. Abana no ar umas pastas com umas folhas de cálculos à medida que tenta convencer dois seguranças da Lorenz Inc. a deixarem-no entrar pela porta da frente.

Moe

É só para deixar este documentos ao senhor Lorenz. Por favor.
[Gritando] Lorenz! Lorenz! Pára já com os "nanoides", estás enganado. Eles estão à solta...

Os seguranças atiram Moe ao chão, fazendo com que caia de costas.

Segurança

Fora daqui, antes que chame a policia. Ou quer fazer uma visita ao meu gabinete ali no beco e falar com o meu punho?

Thomas entra em plano e segura o braço ao segurança e Rita ajuda a levantar Moe.

Thomas

Eu acho que o senhor não vai querer levar um processo jurídico por um advogado como eu. Acredite!

Rita

Moe, estás bem? Eles magoaram-te?

Moe

Calma Rita, eu estou bem. Só o meu orgulho cientista está a doer.

Rita

Porque estás aqui? Assim vestido, a tentar falar com o sacana do velho?

Moe

Eles estão à solta, Rita! À solta! Eu consegui provar, tenho aqui as provas nos meu cálculos.

Moe apanha do chão os papéis, levanta o braço direccionado a Thomas, exibindo as suas provas.

30 de abr de 2008

pág. 09

11. INT. SALA. CASA - DIA

Grandes janelas deixam entra luz solar projectada em metade da sala.

Thomas está pousar o telecomando no sofá onde está sentado.

Está com aspecto diferente, com fato e gravata mais pálido que há 12 anos atrás.

THOMAS

Morre porco velho. Morre longe. Fica no espaço e não voltes.
Rita?

RITA

[Responde de outra divisão] Que foi?

THOMAS

O Lorenze foi apanhado na TV, novamente.
Acabei de o ver em directo numa entrevista.

RITA

[Responde de outra divisão] Esse monstro falou de nós?

THOMAS

Preferia que não, mas sim, falou de nós. Ele disse que afinal éramos funcionários da Lorenz Inc.
Devíamos tê-lo morrer de cancro na altura.

Rita entra na sala onde está Thomas com um vestido preto e apertando o colar.

RITA

Estás pronto? O táxi já lá está em baixo.

Enquanto Rita ajuda a acertar o colarinho de Thomas toca o telemóvel

Quem será a esta hora? Atende a caminho do elevador, se não vamos chegar atrasados à casa do meu irmão.

THOMAS

Deixa ver quem é. Está? Quem fala?
Moe?!

RITA

O Moe?

THOMAS

Faz anos que... Sim, diz. Não, está aqui comigo, sim ao meu lado. Mas calma Moe, que se passa? Como? Não é possível. Sim, sim nós vamos a caminho.

Thomas desliga o telemóvel e Rita chama o elevador.

RITA

Que cara é essa querido? O que se passa com o Moe? Estou a ficar assustada.

THOMAS

Não vale a pena mentir-te. Começa a ficar assustada, a coisa é séria. Vamos ter com Moe agora em frente à sede da Lorenz Inc.

Thomas carrega no botão para fechar as portas do elevador.




29 de abr de 2008

pág. 08

10. INT. ESTÚDIO DE TV

Plano apertado na cara de uma pivô do telejornal

PIVÔ

Chamam-lhe NANO o novo tipo de desporto radical, e foi assim que o ex-reverendo Peter Smith comemorou o décimo segundo ano desde a invenção das novas células criadas em laboratório pela Lorenze Inc.
Circulam rumores, de que, desde do primeiro ano, uma equipa de três estudantes universitários afirmam que haviam inventado a base celular dos "nanoides" que fez mudar a história da humanidade conseguindo enganar a morte mas só para algum multi-milionários. O ex-reverendo Smith recebeu esta pequena, mesmo muito pequena, prenda de milhões de euros do próprio presidente da Lorenz Inc. E é com ele que estamos agora aqui no estúdio.
Boa noite senhor presidente. Obrigado por vir aos nossos estúdios aquando da preparação da sua primeira viagem espacial, obrigado. O que é ser-se Deus em carne e osso? Ter o poder de enganar a própria morte?

LORENZ

Boa noite menina. Antes de responder a essas perguntas, gostava de relembrar que esse três jovens não têm razão no que tentam defender há alguns anos. A patente sempre foi minha e eles foram apenas uns funcionários iniciais ao projecto, mais nada. Em relação às perguntas que me fez, gostava de dizer que ninguém tira lugar a Deus. Tanto é, que foi exactamente o meu e grande amigo reverendo ainda na altura, que me apoiou e guiou nos meus piores momentos da minha vida, e foi através dele que Deus me iluminou o caminho que julgava perdido contra o cancro.

PIVÔ

É verdade que o senhor presidente foi a primeira cobaia humana a testar os "nanoides" e ficando não só curado do cancro, como não sofrendo desde então, de mais nenhuma doença, e agora, tem uma vitalidade de um jovem de 20 anos?

LORENZ

Essa energia está a ser bem gasta na elaboração de novos e mais baratos métodos de criação de "nanoides" para conseguir abranger toda a população mundial, e em principal, os mais desfavorecidos, os mais pobres onde os focos de doenças mortais são maiores.

PIVÔ

Mas até lá o Sr. Lorenz esta a ficar cada vez mais rico.

LORENZ

Percebo onde quer chegar, mas eu fiz uma promessa a um velho amigo meu (infelizmente) antes desta tecnologia aparecer, que iria fazer tudo para ajudar os mais pobres, e é para lá que vou. Pode é demorar mais tempo que previsto.

PIVÔ

Mas já lá vão mais de 10 anos, e com o dinheiro que já recebeu por vender "nanoides" aos homens mais ricos do mundo, junto com alguns chefes de estados de países em guerra, já podia fazer actos de caridade.

LORENZ

Não estou a gostar do rumo que esta entrevista está a tomar...

Lorenz levanta-se da cadeira, saindo de plano da câmara obrigando o "camera" a procurar melhor ângulo para o apanhar.

Clic na imagem e muda para desenhos animados de Dexter's laboratory.

pág. 07

9. EXT. AVIÃO - DIA

A câmara começa a afastar-se do escuro, mostrando o interior de um avião pequeno de carga.

Câmara sai do interior do avião recuando e começando a cair.

Som dos motores desaparece e apenas fica o som de tecido a bater com o vento.

Plano continua com o céu azul limpo.
segundos depois, a câmara atravessa uma zona de nuvens e cada vez mais rápida.

Durante muitos segundos, o plano é o mesmo, um som de bip ecoa, com uma cadência que vai diminuindo com o tempo.

O bip transforma-se num sinal agudo e contínuo. O plano fica negro rapidamente, ficando assim uns 3 segundos.

Imagem negra começa a ficar vermelha
e de seguida voltam-se a ver as nuvens e pó em volta.

Som de um profundo encher de ar nos pulmões.

PARE-QUEDISTA

[ Acompanhado com tosse ] Tenho... que voltar... a fazer o mesmo.

pág. 06

8. EXT. ESTRADA - NOITE

Câmara ao nível do chão, apontada para o centro da estrada.

Passam dois carros de alta cilindrada com os pneus a queimar.

Câmara sobe lentamente mantendo os carros em plano que desaparecem no escuro.

Aparece rapariga a tapar o plano com as costas ainda com o cabelo a esvoaçar pelo movimento dos carros.

Rapariga faz sinal para outros carros seguirem os que já vão na frente, saltando par as traseiras de uma carrinha de caixa.


RAPARIGA

[ Gritando ] Força malta! Eles já devem ter chegado. Ah ah ah! Estou doida! O meu namorado deve ser o que foi mais longe.

A segunda vaga de carros aproxima-se de uma coluna de fumo e com os faróis ilumina os dois carros esmagados contra uns separadores de cimento perpendiculares à estrada.

A rapariga muda de uma expressão contente para uma expressão assustada e começa a berrar.

RAPARIGA

[ Gritando ] Eu não acredito! Que foi que se passou? Onde está o John? Porra, saiam do caminho, quero ver onde está.

Passa por um carro sem ninguém no lugar e sem vidro da frente.

Fica parada de mãos nas ancas a olhar para o outro carro onde está o namorado inconsciente com metade direita do corpo a arder.


RAPARIGA

Eu não acredito nisto. Este sacana está ainda ali, nem saiu do banco. Que tristeza...

No meio do escuro, e do outro lado dos separadores de cimento, aparece outro piloto a rir, com a roupa rasgada, a caminhar na direcção do acidente.

PILOTO 2

Então malta, viram o meu vôo? Podem certificar-se da minha distância através das marcas do capacete no asfalto, mais uns metros à frente [ Rindo ]

RAPARIGA

John, já podes saír! O outro tipo conseguiu fazer o que tu não conseguiste.... Que vergonha!

John abre os olhos, tem um pasmo e começa a rir. Vira a cabeça para a namorada e mostra a parte direita da sua cara queimada, que se regenera em segundos.

JOHN


Ainda bem que apostei a minha namorada com o vencedor.... Esta tipa não se cala!

TODOS NA ESTRADA

[ Soltam gargalhadas ]

fade out

28 de abr de 2008

pág. 05

7. INT. LOFT DE MOE

Plano picado sobre o centro do loft. Pelo aspecto parece que já não é arrumada há algum tempo.

A porta abre-se do lado direito do ecrã, e a câmara acompanha as cabeças de Moe (que abre a porta), Rita e Lorenze de seguida, um tempo depois Thomas, que olha em volta para a decoração de Moe.

MOE

Não liguem à desarrumação.... Estou a fazer uma tese sobre a Teoria do Caos, ao mesmo tempo que factores... Bem... Deixem lá

THOMAS

Hum! Er... Moe! Sempre pensei que fosses o tipo de gajo que arruma tudo, até as canetas por ordem cromática do arco-íris. Mas afinal és mais desleixado do que eu! Bem Rita, caso um dia vocês dois juntem os trapinhos, não venhas põr as culpas em cima de mim. Eu não sabia que ele era assim.Que fique na acta que também eu fui enganado.

RITA

Thomassss?!

Thomas levantas as mãos no ar num acto de rendição.

Lorenz senta-se numa único espaço livre no meio das pilhas de papeis.


LORENZ

Desculpem lá a animação, mas o meu tempo urge. Por muito que gosto de partilhar momentos com a juventude, eu estou em pulgas para saber o motivo de tanto alarido. O que foi que descobriram assim tão bom, que me obrigaram a saír da minha ilha nas Caraíbas?

MOE

Tem razão Sr. Lorenze, só estou a acabar de fazer upload da base de dados da universidade. Eu pedi que viesse a minha casa para mostrar os resultados do nosso estudo, porque a partir de agora, a coisa ficou séria e seria muito negativo se esta informação se espalhasse por aí, sem saber em que mãos poderia acabar.
Não vou fazer perder mais tempo. Olhe para a Deus a trabalhar.

Câmara está em grande angular sobre o teclado do computador de Moe.

Moe estica a mão esquerda, com o dedo indicador para baixo, desce lentamente para uma tecla que clica e afasta, imitando um movimento de um mágico a retirar o coelho da cartola.

MOE

Tchan nam!

Lorenz aproxima-se da câmara, semi-cerrando os olhos, para poder ler o que está no ecrã do computador ficando a cara a ocupar quase o plano todo.

LORENZ

Estão a gozar comigo? Eu lá sei o que são este algarismos todos a correr! Alguém me explique o que se passa de uma vez por todas?

Lorenz afasta-se novamente da câmara ficando o resto dos personagens a aparecer no plano a olhar para a câmara.

Só Rita olha para Lorenze, colocando de súbito a mão nas suas costas.

RITA

Já não tem nada. Eliminámos os múltiplos focos de cancro na sua amostra de sangue. Está curado, o sangue do senhor neste momento é um verdadeiro milagre. Está totalmente "esterilizado". O seu sangue está 100% puro.

pág. 04

THOMAS

Moe! Juro! Se vais fazer uma partida. Eu já vim aqui lixado da vida e não estou para aturar estas mer…

Thomas perde a fala quando se senta e olha para uma série de números numa tabela no monitor do computador. Volta a pegar nos óculos que tinha guardado e segura-os na cara com ambas as mãos e durante uns segundos, só mesmo o movimento dos olhos acusam que está activo.

Plano aperta nas lentes dos óculos e foca nos números verdes, num fundo preto, reflectidos pela luz do monitor.

A imagem dos números fazem “scroll”

Fade out para:


6. INT. AEROPORTO

Fade in para:

Quadro de chegadas, com a alteração das horas de chegadas dos voos.

Plano meio corpo em Rita com um papel escrito com o nome Mr. Lorenz em frente ao peito.

Rita tenta desviar o olhar entre as pessoas que saem da porta de chegada
procurando por alguém e olhando o relógio com uma expressão aflita.

LORENZE

Menina Rita, suponho?

Plano das costas de Rita, que se vira e fica frente a frente com um senhor na casa dos 70 de fato branco e chapéu de palha com um ar simpático e sorridente.

RITA


Senhor Lorenze, como é que saíu sem eu o ver chegar?

LORENZE

Então, menina Rita?! É assim que se recebe um bom e velho amigo?!
Que raios, andei contigo ao colo enquanto o teu pai estava diante do quadro de argila, coberto de pó de giz.... Eish! O que ele trauteava, à medida que dançava de um lado para o outro, durante a escrita das equações e setas, e mais uns símbolos estranhos!
Ah! Que alegria que era........ Bem deixemo-nos de recordações, passemos ao futuro. Não foi para isso que contactou? O futuro?

RITA

Senhor Lorenze, tenho um táxi à nossa espera

Rita abraça Lorenze alegremente.

LORENZE

Disparate, menina Rita. Disparate. Eu tenho a minha limousine, dispense o taxista e venha comigo. temos muito que falar pelo caminho.

Plano de costas dois. Caminham para a porta do aeroporto afastando-se da câmara.

Conte-me novidades. Namorado? Noivo? Filho? Não me diga, filhos? Quero saber de tudo.

Eu fiquei responsável por si, e quero saber de tudo.

RITA

O senhor não mudou nada, nem mesmo com a idade...

Rita coloca o braço à volta do ombro de Lorenze.

23 de abr de 2008

pág. 03

5. I/E CARRO

Plano apertado no retrovisor do carro onde baloiça um boneco de um gnomo com um sorriso matreiro.

Pelo som do motor, sabemos que vai a grande velocidade.

A expressão de Thomas é de descontracção, vai assobiando enquanto conduz apenas com uma mão no volante.

À medida que passa pelas ruas da cidade, em direcção aos arredores onde está o laboratório da universidade, repara nos sinais de direcção, que estão desfocados.

Abre o
porta-luvas do carro e tira os óculos com lentes graduadas, tentando tapar a cara com a mão ao passar por outros carros, com vergonha das armações que está a usar.

6. INT. DA SALA LABOTORIAL DA UNIVERSIDADE

Um casal em volta de um computador que é a única fonte de luz na sala e ambos estão debruçados no monitor.

THOMAS

Que se passa, malta? Porquê tanto alarido? Até parece que não estiveram a fazer noitada aqui no laboratório!

Thomas entra pela porta, arrumando os óculos na sacola que trás pendurada ao ombro.

RITA

Deixa-te de merdas que ainda não me deitei.

Desvia os olhos do computador.

MOE

Anda cá ver isto e abre bem a tua mente!.... Esquece tudo o que te ensinaram nas aulas de ciência! Prepara-te para começares a acreditar na divindade suprema.

THOMAS


Se vocês dois me querem fazer uma partida, para se vingarem do que vos fiz ontem, para ficarem sozinhos como dois pombinhos na gaiola, lembro que a porta do laboratório está programada para abrir ao fim de um quarto de hora.

RITA

Não te preocupes com isso

Olhando para o Moe com ar comprometedor.

MOE

Só não te chamámos mais cedo porque não tínhamos a certeza do que se estava a passar. Mas prepara-te, que a tua ressaca vai tornar-se ainda pior. Ora põe os olhos nisto.

Afasta-se do computador e estende a mão, como para indicar onde ocupar o seu lugar.

pág. 02

Corta para:

4. INT. SALA DA CASA

A imagem está escura não se vê nada. É quando na escuridão aparece um clarão vindo do telemóvel acompanhado com o toque polifónico do tema dos Iron Madem “Man on the edge”.

Sobressaltado, um homem na casa dos 30 levanta-se do sofá mandando o telemóvel ao chão, e pontapeando-o de seguida, sem querer, para baixo de um móvel.

A câmara está do lado oposto, ao nível do chão, por baixo do móvel, e só quando a luz intermitente do ecrã se acende é que vemos os pés descalços do personagem, que se aproxima esticando o braço direito, com a face colada no chão, e espreitando o telemóvel que está em primeiro plano.

Ao agarrar o telemóvel, a sua mão tapa o ecrã, fazendo voltar a escuridão da sala por momentos.


THOMAS

Estou! Que se passa pá? Que horas são?

MOE

Rápido Thomas, vem cá ter! Porra, que merd…

E a chamada cai do outro lado.

THOMAS

Estou? Estou? Hei! Estou? Raios…

Ouve-se os passos de Thonas no chão, e um ruído que soa a um possível embate num objecto de vidro.

Ao acabar de falar e de pousar o telemóvel, abre os cortinados, deixando a luz do sol, já alto, entrar pela sala dentro.

Plano geral da sala, iluminada pela luz que entra pela janela, ficando o Jonas em silhueta, projectando a sua sombra no chão
de madeira e percebemos que há uma garrafa de vodka tombada a girar.

pág.01


1. INT. ESCADA DO PRÉDIO – DIA


Alguém sobe umas escadas a passos lentos.


A câmara acompanha os pés, que vão tropeçando nos degraus, fazendo cambalear ainda mais...Mas a pessoa não faz esforço algum para se apoiar, batendo tanto na parede como no corrimão.


Parece embriagada ou drogada, com um olhar fixo em frente, como que determinado e ao mesmo tempo ausente.


Planos apertados na mão e partes da cara do sujeito mostrando pequenas cicatrizes.


Ao bater com a cabeça na parede, faz um pequeno golpe no sobrolho, escorrendo uma gota de sangue até à face, mas algo mais estranho acontece. O sangue pára de descer e acumula-se numa gota maior. É então que a pele da face se abre, como se de um fecho de correr se tratasse, e o sangue entra novamente no corpo, voltando a ferida recentemente aberta a fechar-se, sem deixar qualquer marca.


2. EXT. TERRAÇO DO PRÉDIO – DIA


Ângulo lateral à porta de acesso que abre com o bater do corpo do homem. Acompanhando-o lado a lado sobre a gravilha do chão do terraço, levanta-se pó ao seu passar.


O homem começa a acelerar o passo em direcção ao fim do prédio, que tem um pequeno muro onde acaba por bater com os joelhos com uma força tal, que se ouvem as rótulas a partirem-se numa fracção, antes de começar a caír.


A câmara segue-o na queda do 12º andar abrandando em "slowmotion" na cara sorridente.


3. EXT. PASSEIO DA RUA


O plano a seguir é estático, focado no passeio em frente ao prédio, durante uns três segundos, até ser interrompido pelo embate do corpo do homem, que se estatela no solo com toda a força.


Corta para: